Escultura será aberta ao público nesta sexta-feira, 14, no Mirante Bandeirantes. Feita em bronze, obra traz interação entre Kubitschek, Niemeyer, Portinari e Burle Marx

A Fundação Municipal de Cultura, em parceria com a Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur), abre ao público nesta sexta-feira, dia 14 de outubro, mais uma atração para o belo-horizontino e turistas na região da Pampulha: o monumento “Eterna Modernidade”, de autoria dos artistas plásticos Vânia Braga e Diego Rodrigues. Localizado no recém reformado Mirante Bandeirantes, a obra traz a representação dos quatro gênios criadores do Conjunto Moderno da Pampulha: Juscelino Kubitschek, Oscar Niemeyer, Cândido Portinari e Roberto Burle Marx.

Conhecido pelas inovadoras curvas de Niemeyer, pelas belas paisagens de Burle Marx e pelos painéis singulares de Portinari, o Conjunto Moderno da Pampulha foi inaugurado em maio de 1943 pelo então prefeito e idealizador do projeto Juscelino Kubitschek. O monumento “Eterna Modernidade” é uma homenagem a estes personagens que fizeram do Conjunto da Pampulha uma obra de arte reconhecida mundialmente.

Segundo Vânia Braga, uma das autoras do monumento, a ideia da obra é transmitir ao público o momento inicial da criação do Conjunto Moderno da Pampulha. “Minha criação deseja transmitir aos visitantes como tudo começou, ou seja, o momento em que Juscelino Kubistchek juntou-se com Cândido Portinari, Oscar Niemeyer e Burle Marx para desenvolver o projeto da Pampulha. Quisemos eternizar na história de Belo Horizonte o momento em que essas grandes figuras se juntaram para a criação do atual patrimônio histórico”, afirma.

As esculturas de autoria de Vânia Braga e Diego Rodrigues foram produzidas pela Fundição Artística São Vicente. A requalificação do Mirante Bandeirantes e a produção do monumento foram patrocinadas pela Patrimar, por meio do Programa Adote Um Bem Cultural.

Os artistas
Vânia Braga é autora de esculturas em bronze, mármore e resina cristal. A artista vem conquistando o país com suas peças ousadas e sofisticadas. Entre suas principais obras estão um monumento em homenagem ao médium mais famoso do Brasil, Chico Xavier, em tamanho natural, localizada em Pedro Leopoldo, cidade natal do médium. Outro destaque na carreira da artista é a escultura Maternidade, que integra o jardim do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins. A escultura foi sua primeira obra a se tornar monumento público.

Diego Rodrigues iniciou seu trabalho como escultor aos 15 anos de idade e sua formação como artista plástico se deve, principalmente, ao convívio com o pai. Diego começou frequentar uma fundição com 10 anos de idade, tendo contato assim, com diversas ramificações da arte. Atualmente, o artista retrata mulheres que são inspiradas em uma única mulher.
 
Contato para a imprensa
Assessoria de Comunicação | FMC – (31) 3277-4682