Belo Horizonte entra, definitivamente, na lista oficial de Patrimônios Culturais da Humanidade a partir da chancela da Organização Mundial do Turismo
A Organização Mundial do Turismo anunciou, na manhã desta quinta-feira (18/8), a todos membros filiados espalhados pelos quatro continentes, que a Pampulha é Patrimônio Cultural da Humanidade, título reconhecido pela UNESCO. Assim, Belo Horizonte entra de vez na lista dos destinos turísticos mais interessantes do mundo.
Na quarta-feira (17/8), Dia Nacional do Patrimônio Histórico, o Museu de Arte da Pampulha foi palco da entrega do documento de inscrição do Conjunto Moderno da Pampulha, em Belo Horizonte (MG), na lista de Patrimônio Cultural Mundial da Unesco.
Proteção mundial

O título de Patrimônio Cultural da Humanidade é concedido pela Organização das Nações Unidas para a Cultura, Ciência e Educação (Unesco) a monumentos, edifícios, trechos urbanos e ambientes naturais de importância paisagística que tenham valor histórico, estético, arqueológico, científico, etnológico ou antropológico. O objetivo da Unesco não é apenas catalogar esses bens culturais valiosos, mas ajudar na identificação, proteção e preservação.

Fazer parte da lista de patrimônios culturais da humanidade é importante não só pelo caráter de reconhecimento da importância que os bens possuem, mas também por significar que este passará a contar com o compromisso de proteção da Unesco e de todos os países signatários da Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural, o que hoje significa contar com o resguardo de 190 países. Além disso, o aporte de recursos e a valorização dos patrimônios culturais mundiais tendem a contribuir para fomentar o turismo na região, o que gera novos investimentos na economia local e empregos para a população.

O Brasil tem outros 18 bens reconhecidos pela Unesco como patrimônio mundial. Entre eles, destacam-se bens da arquitetura moderna como a cidade de Brasília, bens naturais como o Pantanal e o Parque Nacional do Iguaçu e bens históricos como a cidade de Salvador e o centro histórico de Olinda. Em Minas Gerais, a Unesco também reconhece como patrimônios mundiais a cidade histórica de Ouro Preto, o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas, e o Centro Histórico de Diamantina.